Quer emagrecer? Mantenha a calma e esteja presente enquanto come

A ciência comprova a relação direta entre o estresse e o acúmulo de gordura abdominal. Portanto, administrar o estresse pode ajudar bastante você a reduzir aquela indesejável barriguinha e te ajudar a eliminar peso.

E aí vem a pergunta de ouro: como aliviar o estresse de nosso dia-a-dia de forma que nos ajude a emagrecer? Não dá para simplesmente largar aquele emprego estressante, ou alterando radicamente nosso estilo de vida de uma hora para outra.

O método aqui é suave, de pequenas mudanças incrementais, que sejam sustentáveis, possíveis, atingíveis. O que você pode fazer para reduzir o estresse?

Aprender técnicas de relaxamento e meditação definitivamente pode te ajudar a regular o estresse nos momentos mais complicados. O método mais simples que conheço de meditação e relaxamento que funciona bem é simplesmente estar presente.

Para isso, vou convidar você nesse momento a se colocar numa posição confortável, do jeito que for possível agora. E agora nessa posição confortável, do jeito que puder estar nesse momento, coloque uma intenção de se relaxar suavemente, de descansar um pouco.

Diga para si mesmo ou si mesma, internamente, com suas palavras, que quer relaxar, se acalmar um pouco, ficar bem.

Depois de colocar sua intenção para si mesmo ou si mesma, convide-se a a observar o ritmo de sua respiração.

Permita-se perceber tranquilamente, despreocupadamente, a subida e descida do seu umbigo enquanto você respira, percebendo naturalmente o movimento de sobe e desce da sua barriga a cada inspiração e expiração.

Você pode simplesmente observar sua barriga como se fosse uma bola de encher, e na inspiração se imaginar enchendo bem essa bola – sem desconforto – e na expiração você pode perceber essa “bola de ar” esvaziando cada vez mais, automaticamente.

Você pode se colocar apenas como um expectador no processo, você não precisa de esforço algum, é como se você se sentasse por algum tempo apenas para assistir esse filme de sua respiração.

E se você de repente bocejar ou achar isso monótono, tudo bem, é sinal de que está funcionando, de que, suavemente, quase imperceptivelmente, você está desacelerando um pouco.

Não precisa ser um super relaxamento, você não precisa sentir um relaxamento profundo agora, apenas um pouco mais calmo e relaxado está bem por agora.

Por que você não aproveita esses momentos para simplesmente estar com você e desfrutar de seu momento?

Uma variação desse exercício de observar sua respiração é o de estar presente durante sua alimentação.

Do mesmo jeito que com sua respiração, você pode se colocar numa posição confortável enquanto come.


Permita-se se assentar confortavelmente, dedicando esse tempo a você e à sua alimentação. Coloque uma intenção para si mesmo ou a si mesma de se dar esse momento de presente, para estar com você e estar presente enquanto se alimenta.

No lugar da sua respiração, observe muito tranquilamente o alimento diante de você, e agradeça. Agradeça a todos que, de algum modo, contribuíram para que esse alimento chegasse até você.

Desde o sol, a chuva, o solo e o agricultor, as pessoas que distribuíram e venderam o alimento e entregaram até você. Diga um “obrigado” interno a essas pessoas, ao próprio alimento que está diante de você, ao seu corpo e seus órgãos que irão digerir esse alimento.

Agora, observe tranquilamente esse alimento, convidando todos os seus sentidos, ainda sem mastiga-lo.

Alimente seus olhos saboreando as cores e matizes do alimento que está vendo. Alimente suas narinas absorvendo os aromas que chegam até você. Sinta com suas mãos a textura, a composição do alimento, se é algo que pode tocar, como uma fruta.

Depois de alimentar seus sentidos com esse alimento, permita-se saborear lentamente o alimento, sentindo-o derreter em sua boca enquanto o mastiga calmamente. Desfrute com seu paladar os sabores que está sentindo, procurando diferenciar sabores, temperos.

Faça uma pequena pausa, e recomece esse ritual sagrado que é se alimentar, alimentando cada sentido, presentemente, estando atento aos sabores, cores, sons, do alimento.
Observe também o caminho interno do alimento percorrendo sua boca depois de engoli-lo, passando pela garganta, esôfago até o estômago.

Convide sua atenção a observar o grau de fome e saciedade a cada momento.

Permita-se parar de comer quando estiver satisfeito ou satisfeita, não importa se ainda há comida no prato. Respeite seu ritmo, sua fome, seu corpo.

Dedique esse tempo a você, seu tempo especial, sem interrupções, sua meditação, sua prece, seu ato de amor por você e seu corpo. Você merece.