Desligando o piloto automático e comendo em consciência plena –  o “caminho do meio” que emagrece

Você já parou para pensar que, quando se tornar um comedor consciente, um indivíduo que pratica o mindful eating, o seu corpo realiza um trabalho em equipe, desde a cabeça até os pés, para que você aprecie seu alimento com consciência plena, o auxiliando a tomar decisões saudáveis.

Publiquei abaixo, o infográfico feito pela autora Susan Albers, que é referência mundial em mindful eating. Ela mostra como se tornar um comedor consciente, envolvendo várias partes do nosso corpo. Você também, poderá colar a figura em seu refrigerador, no escritório ou enviar para os amigos. O que vale é divulgar!

wholebodymindfuleatingalbers

Não existe alimento proibido. O que faz diferença é como você come: com atenção plena, quando está com fome, desfrutando o alimento devagar e de forma saborosa- ou sem consciência, automaticamente, no piloto automático, por impulso, distração ou para aliviar estresse e ansiedade.

Por isso não gosto de falar em dietas da moda como dieta das proteínas, do Dr. Isso ou Dr.Aquilo. Falo de reeducação alimentar. Como mencionei em posts anteriores, mais de 70% das pessoas que fazem dietas restritivas voltam a engordar. Na maioria das vezes, quando você faz essas dietas restritivas, isso apenas dificulta o seu processo de emagrecimento, porque elas acabam te distanciando das reais necessidades do seu corpo e criam uma relação problemática de culpa e proibição em relação à comida.

Quando você se proíbe de comer chocolate, o chocolate não sai da sua cabeça e você fica maníaco por ele. 

É melhor comer um saboroso chocolate em consciência plena, em gratidão, num momento de fome, bem devagar, e não pensar mais nisso, do que não comer e não tirar o chocolate da cabeça. Ou comer compulsivamente depois de horas tentando evita-lo, e se torturar com culpa, e pior, comer rapidamente, sem saboreá-lo momento a momento.

Comer com atenção plena é o caminho do meio, como dizem os budistas. A comida é para ser apreciada prazerosamente e para nutrir seu corpo, e não para encher você de regras, com ansiedade e arrependimento. 

Estudos clínicos têm demonstrado que a alimentação consciente ajuda as pessoas a regular seus impulsos e desejos alimentares, separando a fome real da psicológica, aumentando a autoestima e autoconfiança naturalmente e consequentemente, evitando o aumento de peso.

A alimentação consciente não é um programa complexo ou caro. A receita é muito simples, algumas pessoas conseguem até fazer sozinhas, outras precisam de um coach para ajudá-las a chegarem lá, no peso permanente. Você poderá conferir, seguindo o nosso Programa Mente Magra (Clique aqui e acesse o software em nossa funpage). 

Como vocês já sabem, sempre busco novidades e o que há de melhor sobre o Mindful Eating, para compartilhar com vocês, porque realmente funciona – funcionou comigo e com milhares de pessoas no mundo todo, que estão descobrindo o poder de desligar o piloto automático e comer em um estado de presença.

Trago a seguir, os seis passos para você se tornar um comedor consciente. 

1) Comedores conscientes não comem até esvaziar o prato 

Os comedores conscientes tendem a comer e parar quando não estão mais com fome e quando se sentem satisfeitos. Os comedores inconscientes continuam comendo mesmo sem fome, agredindo seus corpos – e seu corpo responde à agressão, estocando comida.

Com o tempo de prática em atenção plena, você percebe quando está satisfeito, evitando aquela sensação ruim de que comeu demais. 

Não se preocupe se isso parece difícil no início. A alimentação consciente o ajudará a reprogramar seu cérebro gradualmente para diferenciar entre a genuína fome física (a barriga ronca), a fome psicológica (você viu um alimento colorido e apetitoso e sentiu DESEJO de comer, embora não esteja com fome) e a fome do coração (comer para aliviar a ansiedade, estresse, tristeza, etc).

2) Comedores conscientes têm seu próprio ritmo

Isto não é fácil. Vivemos em um mundo acelerado e que estimula o tempo todo o não pensar e o consumismo, o comer no “piloto automático”, daí surge fast food.  Os comedores conscientes podem mudar esse ritmo acelerado em que vivemos e se educar para dedicar à alimentação um espaço sagrado, de pausa, em suas vidas. Se planeje para comer com calma, gastando pelo menos 30 minutos para uma refeição, que é o tempo mínimo para seu cérebro entender que você está satisfeito, depois que começou a comer.

  • O próximo passo é  sentar-se. È muito simples, mas se você comer em pé, provavelmente irá beliscar e comer rápido. Sente-se e dedique-se por inteiro à experiência de comer, faça de qualquer refeição um momento sagrado.
  • O passo seguinte: Agradeça pelo alimento. Pense no que irá comer, nos nutrientes, nas pessoas envolvidas em fazer o alimento chegar até você, no seu corpo que é capaz de saborear a comida;
  • Depois: se alimente usando todos os cinco sentidos, e não apenas a boca. Coma saboreando as cores, formatos, textura, aroma, como se fosse a primeira vez que saboreasse aquele alimento;
  • Por fim, coma desfrutando, bem devagar, sem pressa, cada pedaço. Isso é se alimentar em consciência plena. Dê a você e a seu corpo o tempo necessário.

3) Comedores conscientes são exigentes, comem o melhor

Enquanto os comedores conscientes parecem ser muito seletivos, na verdade, são apenas exigentes e cuidadosos sobre suas escolhas, na hora da refeição. Eles colocam a si mesmos e suas necessidades em primeiro lugar.

Quem come consciente, realmente aproveita  o alimento e, se não gosta, pára de comer e pronto. Além disso, eles não têm medo de adaptarem a comida ao seu gosto particular.

Nos restaurantes, um comedor consciente pode solicitar ao garçom alguns ajustes no preparo da sua refeição, fazendo escolhas saudáveis, como por exemplo, pedir para retirar o bacon do prato, ou optar pedir o queijo suíço em vez do queijo cheddar.

4) Comedores conscientes perdoam e são flexíveis

Sim, se eles comeram demais em alguma ocasião, eles se perdoam e aprendem com a experiência. Pare e não se torture! Os comedores conscientes sabem que amanhã é outro dia e que podem reverter o exagero do dia anterior. Uma estratégia é verificar a quantidade que você  comeu e reduzir na próxima refeição ou lanche. Não desista!

5) Comedores conscientes tendem a avaliar a sua fome antes dar a primeira mordida

Estar no aqui e agora, totalmente presente é a chave para alimentação consciente. 

Tenha um breve momento para se perguntar antes de dar a primeira mordida: “Estou realmente com fome?  Ou estou comendo no piloto automático? O que eu estou sentindo agora é fome, desejo ou impulso? Qual meu grau de fome numa escala de 0 a 10? Posso esperar um pouco mais?

 Fazer essas perguntas antes de começar a comer e dar uma pausa para refletir pode ajudar você a voltar a estar presente e consciente e não embarcar num comportamento inconsciente, no piloto automático.

6) Comedores conscientes rompem com velhos hábitos
 
Quando você sabe que está praticando bons hábitos, com certeza irá saber mantê-los. Não conheço ninguém que emagreceu sem se reeducar na forma de se alimentar de forma mais saudável, de praticar algum tipo de atividade física regular (mesmo que seja algo simples como caminhar) e de mudar seu estilo de vida, os lugares que frequenta, etc.

Converse com uma pessoa que emagreceu e permanece magra por pelo menos 3 anos. Pergunte a ela: Quais são os hábitos que ela mantém até hoje que fazem com que ela permaneça magra e saudável? Eu, por exemplo, caminho diariamente pelo menos 30 minutos, monitoro o que como diariamente num aplicativo, faço musculação 3 vezes por semana, e adoro frutas, legumes e verduras, sem contar outros hábitos simples.

Quais os hábitos que você precisa mudar ao se inspirar nesta pessoa magra? Comece agora, mudando um hábito por vez. 

Não se imponha a uma mudança drástica, comece com uma mudança simples. Beber mais água, por exemplo, ou caminhar mais, mesmo que seja 15 minutos a mais por dia.

E lembre-se: é preciso 45 dias consecutivos repetindo um novo hábito para que ele entre no piloto automático e se torne parte de você. Até lá, repita, repita e repita…

E lembre-se de que, a cada vez que repetir o bom hábito que está criando, se parabenizar logo em seguida e se dar um pequeno presente que não seja calórico – uma leitura agradável, ler um bom livro, ver um filme ou ouvir uma música, fazer uma massagem, enfim, se recompensar de algum modo que não envolva comida. Essa é a chave de se criar um hábito vencedor.

Até a próxima semana!

Vejam meus vídeos com dicas no endereço abaixo, participe e comente. 

https://www.youtube.com/channel/UCfDTLbylPqrIuzQOLbVG2Gg

Por Emerson Pacheco

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s